Vereadores de Chapadinha mudam Regimento Interno da Câmara para permitir gastos sem fiscalização

Vereadores de Chapadinha mudam regimento para permitir gastos sem fiscalização

Quando todos em Chapadinha pensavam que jamais poderia surgir um presidente da Câmara Municipal pior ou igual a Nonato Baleco - aquele que torrou R$ 250 mil com uma empresa de publicidade cujos serviços nunca foram prestados e sem que os próprios aliados soubessem (relembre aqui) -, eis que surge uma criatura chamada Vera - "a mulher que não abera", dizia seu slogan de campanha.

Ela só não mencionava para o quê ou para quem não "aberava" e o povo supôs que ela estava prometendo não se render à velha política, à corrupção. Mas hoje, qualquer chapadinhense já sabe: na verdade, a mulher não "abera" para qualquer coisa que possa lhe trazer alguma vantagem, inclusive legislar em causa própria com a ajudinha de seus aliados.

A última da trupe foi a manobra para retirar poderes de fiscalização da 1ª Secretária da Câmara, vereadora Nildinha Teles, simplesmente porque ela se recusou a assinar o pagamento de R$ 7 mil (sete mil reais) de álcool em gel sem ver o estoque adquirido ou, pelos menos, saber onde estava.

Esse gasto com álcool realmente surpreende, tendo em vista que as sessões estavam suspensas por conta da pandemia e só recentemente foram retomadas, não sendo permitida a entrada de ninguém além dos vereadores e servidores cujas funções são essenciais ao funcionamento do plenário.

Como o regimento interno exigia a assinatura da 1ª Secretária nas transações financeiras da casa, junto com a da presidente, e Nildinha "ousou perguntar" pelos produtos supostamente comprados, Vera e seus aliados resolveram mudar o regimento substituindo a assinatura da 1ª Secretária pela de qualquer outro vereador que, obviamente, autorize os pagamentos sem questionar nada. E para dar ares de coisa lícita, vincularam a escolha de tal vereador à "aprovação do plenário", como se Chapadinha inteira não soubesse que a maioria na Câmara só age em interesse próprio e ainda come na mão do prefeito.

O que dizia o regimento:

Art. 30 (...)
XII - [compete ao Presidente da Câmara] assinar, juntamente com o 1° Secretário, as resoluções, decretos legislativos, cheques nominais, toda transação financeira da Casa e demais documentos (grifo nosso);

Art. 36. Compete ao 1° Secretário:
(...) X - assinar, conjuntamente com o Presidente, todos os atos referentes à movimentação financeira da Câmara (...), tais como: balanços, ordens de pagamento, transferências bancária, cheques e similares (grifo nosso).

Como ficou depois da tramoia:

Foi retirado o trecho "cheques nominais, toda transação financeira da Casa" do Art. 30, inciso XII.

Foi excluído o inciso X do Art. 36.

Foi incluído o inciso XXVIII ao Art. 30: [compete ao Presidente da Câmara] assinar juntamente com um Vereador que será indicado obedecendo os blocos parlamentares, sendo aprovado pelo plenário, todos os atos referentes à movimentação financeira da Câmara (...).

Projeto que alterou o regimento da Câmara de Chapadinha para permitir gastos sem fiscalização

E assim, Vera poderá continuar fazendo o que bem entende na casa do povo, com o dinheiro do povo.

Votaram a favor da tramoia os vereadores Luís Barbeiro, Marcely Gomes, Missecley, Marcelo Meneses, Netinho, Nonato Baleco, Jr. Carneiro e, lógico, "a mulher que não abera".

Votaram contra a alteração os vereadores Alberto Carlos, Marcelo Marinheiro, Itamar Macedo, Licinha Cardoso e Nildinha Teles.

Ausentes os vereadores Tote e Neto Ponte.

Abaixo, trecho de um vídeo que circulou nas redes sociais onde a 1ª Secretária faz um desabafo sobre o caso enquanto a presidente ouve calada, confiram:

Espalhe por aí e deixe seu comentário