Tramoia de vereadores para impedir fiscalização de gastos da Câmara dá errada

Chapadinha: Tramoia de vereadores para impedir fiscalização de gastos dá errada

Conforme havíamos noticiado, os oito vereadores na imagem participaram de um conchavo, encabeçado pela presidente da Câmara de Chapadinha, Vera Lúcia, com o objetivo de impedir a fiscalização de gastos efetuados pelo legislativo.

O desfecho esperado pela trupe era substituir a vereadora Nildinha Teles, corresponsável pelas transações financeiras da casa, por algum aliado da presidente que assinasse os pagamentos sem questionar (releia aqui). O resultado, porém, não saiu como desejavam.

Manobra totalmente ilegal

Antes, vale destacar que a alteração no regimento interno da Câmara, que possibilitou o afastamento da referida vereadora do ordenamento das despesas, foi totalmente ilegal, da proposição à votação. Isto porque o próprio regimento determina a maneira pela qual pode ser alterado, que não foi observada.

O Art. 194 é claro: qualquer alteração só pode ser proposta pela maioria absoluta dos vereadores, ou seja, oito deles; por todos os membros da mesa diretora ou todos de uma comissão permanente.

Vereadores de Chapadinha propõem alteração no regimento irregularmente

No entanto, apenas cinco vereadores assinaram a proposta de alteração, não se enquadrando em nenhum dos requisitos mencionados. Mesmo assim, a presidente se fez de cega e levou a tramoia adiante.

Vereadores de Chapadinha alteram regimento interno da Câmara para impedir fiscalização

Votação fake

No dia da votação, outra ilegalidade gritante: a presidente votou para que a maioria absoluta exigida no Art. 194 fosse atingida, mas não poderia, pois o mesmo regimento prevê que o presidente só pode votar em três hipóteses: eleição da Mesa Diretora (o que não era o caso), quando a matéria exigir aprovação de 2/3 dos vereadores (sendo que só precisava da maioria absoluta) e em caso de empate (o que também não houve, pois o resultado sem o voto da presidente foi 7 x 5).

Presidente da Câmara de Chapadinha votou irregularmente

Em resumo, além de vergonhosa, a manobra foi uma verdadeira lambança do início ao fim.

Marinheiro substitui Nildinha

Na última sessão da Câmara, por conta de conchavos mal feitos e desavenças da presidente com alguns colegas, quem acabou eleito para o lugar de Nildinha, como corresponsável pelas despesas, foi o vereador Marcelo Marinheiro (foto), que havia votado contra a tramoia da substituição.

Vereador Marcelo Marinheiro - Chapadinha (MA)

Nomes mais próximos à presidente como os vereadores Netinho e Missecley foram cogitados, mas não emplacaram e o resultado parece não ter agradado muito a Vera e sua trupe.

Resta saber se Marcelo Marinheiro, ex-aliado da presidente e do prefeito Magno Bacelar, irá fiscalizar e questionar os gastos da Câmara assim como fez Nildinha Teles ou fará as pazes com os antigos parceiros.

Acuada, Vera partiu para o ataque

Após Nildinha ter questionado os gastos na Câmara, fato que resultou na referida substituição, a situação ficou ainda mais feia para a presidente depois que a Polícia Civil efetuou buscas e apreensões em sua casa e no palácio legislativo.

Entre a repercussão da operação e outras denúncias, Vera usou da palavra na sessão do dia 16 e revelou supostos conchavos entre Nildinha e o prefeito, que teriam ocorrido em sua residência. Trataremos do assunto em outra publicação, mas desde já lembramos que os erros de uma pessoa não justificam os cometidos por outra. Se a intenção de Vera era tirar o foco de suas artimanhas, deu com o burros n'água.

O povo continua atento a tudo.

* * *
Espalhe por aí e deixe seu comentário