Prefeito de Chapadinha muda isolamento para o vertical (DSS) e autoriza reabertura do comércio local

Prefeito de Chapadinha (MA) adota isolamento vertical e autoriza reabertura do comércio

Ontem, 13 de abril, o prefeito de Chapadinha, Magno Bacelar, editou decreto alterando a estratégia de distanciamento social para controle da transmissão do Covid-19 na cidade, estabelecendo, também, novas regras de funcionamento para as atividades comerciais.

De acordo com o documento, a partir desta terça-feira, 14, o município de Chapadinha passa a adotar o chamado isolamento vertical ou Distanciamento Social Seletivo (DSS), recomendado pelo Ministério da Saúde para regiões com pouca ou nenhuma incidência de casos confirmados de coronavírus, conforme boletins epidemiológicos 07 e 08.

No DSS, apenas as pessoas do grupo de risco, como idosos e doentes crônicos (diabéticos, cardíacos, hipertensos, etc), ficam isoladas. Pessoas abaixo de 60 anos que não apresentam sintomas podem circular livremente.

Em Chapadinha, porém, além das pessoas do grupo de risco, o decreto também obriga gestantes, lactantes e crianças de até 12 anos a permanecerem em casa. As demais pessoas ficam obrigadas a usar máscaras de qualquer espécie - inclusive de tecido, feitas em casa -, sempre que frequentarem estabelecimentos comerciais ou exercerem qualquer atividade em estabelecimento público ou privado.

Quanto ao comércio local, o prefeito autorizou o funcionamento de todas as atividades econômicas, exceto as que resultam em aglomeração de pessoas, como casas de show, boates, clubes de lazer e similares.

Os estabelecimentos que já estavam funcionando ou que optarem por reabrir deverão observar medidas de segurança e controle sanitário, como revezamento de funcionários, para diminuir o risco de exposição ao Covid-19; horário reduzido, das 8h às 14h (somente para atividades não essenciais como academias, lojas de departamentos, confecções, etc); distância mínima de 2m entre funcionários e/ou clientes; distância mínima em filas e outras condições impostas no referido decreto.

Bares, restaurantes, lanchonetes e similares continuam funcionando da maneira que estavam, pelo menos até o dia 20 de abril.

O não cumprimento das medidas de prevenção e controle sanitário poderá dar causa a interdição imediata do estabelecimento e cassação do alvará de funcionamento.



* * *
Espalhe por aí e deixe seu comentário