27/03/2018

PL usado para burlar concurso público é aprovado. Veja quais vereadores votaram contra o povo

Vereadores de Chapadinha aprovam PL que permite contratações sem concurso

Em sessão realizada no último dia 20, a Câmara Municipal de Chapadinha aprovou o Projeto de Lei (PL) 02/2018, de autoria do Poder Executivo, que dá permissão ao prefeito para contratar mais de mil servidores sem concurso público, sob a velha e manjada justificativa da "necessidade temporária".

No entanto, qualquer criança chapadinhense sabe que o caos que assola o município não se deve à suposta falta de servidores, mas à péssima administração do gestor, Magno Bacelar. Tanto que as denúncias não param nas redes sociais. Ano passado era um escândalo por semana, dois no máximo. Neste ano, a média já é um por dia.

Não satisfeito, Bacelar ainda mandou esse PL para que "seus" vereadores aprovassem e foi devidamente atendido. A manobra passaria batida, não tivesse ele utilizado o mesmo ardil em 2017 para burlar o concurso público realizado em 2014, contratando servidores para vagas de concursados excedentes, sob outra nomenclatura (reveja aqui). E os vereadores sabem disso, inclusive que os excedentes perderão o direito à nomeação definitivamente, caso o gestor leve seu plano adiante.

Apenas três vereadores - Nildinha Teles, Alberto Carlos e Licinha - votaram contra o projeto, para que alguns pontos pudessem ser melhor analisados, debatidos, de modo a assegurar os direitos de concursados e contratados.

A maioria, porém, disse amém ao prefeito e aprovou o PL da forma em que se encontrava: Júnior Carneiro, Marcely Gomes, Marcelo Meneses, Nonato Baleco, Missicley Araújo, Marcelo Aguiar, Luís Barbeiro e Netinho (ver imagem no topo).

Antes mesmo da decisão, excedentes do concurso 2014 informaram ao blog que partiriam para o embate judicial, pois já previam tal resultado. Outras pessoas engajadas na luta por uma cidade melhor também acenaram denunciar a manobra.

logoblog
Comentários
0 Comentários
0 comentários:
Postar um comentário

OBS: Comentários com termos chulos e/ou ofensas à honra alheia serão deletados.