12/04/2013

Chapadinha: 100 dias de governo, 100 dias de choro

Chapadinha-MA: 100 dias de governo e de choro

O novo governo em Chapadinha já conta com 100 dias. E felizmente, para quem apostou na mudança, as melhorias nos serviços públicos são evidentes.

O primeiro "tapa" em quem defendia a continuidade do desgoverno anterior se deu na Saúde: dois hospitais que só serviam para "comer" dinheiro foram fechados e os serviços concentrados em um só. E, ainda assim, o atendimento à população melhorou consideravelmente, tanto em quantidade quanto em qualidade. Na Educação, pela primeira vez na história da cidade vimos um gestor dialogar com a categoria de igual para igual. Se considerarmos que o carnaval teve que ser bancado com recursos próprios, devido à inadimplência do governo anterior, a festa também não deixou a desejar. Por sinal o secretário da pasta, Herbert Lago, intenta mostrar que "nem só de festa vive a cultura" e já iniciou um levantamento dos artistas locais, de todos os segmentos, além de estar pleiteando a futura "Casa de Cultura de Chapadinha". A SEMAS ampliou e organizou a entrega de peixes na semana santa, a Sec. da Mulher está finalmente trabalhando em prol da mulher, enfim, um resumo de todas as mudanças pode ser conferido na página oficial da prefeitura (veja aqui).

Mas, como era de se esperar, os derrotados não param de chorar.

Por derrotados entenda-se aqueles que não conseguiram se eleger, os que conseguiram, mas esperavam que o Dr. Ficha-Suja também se elegesse, os desocupados metidos a jornalistas e outros coitados que esperavam "mamar" no atual governo, mas deram com os burros n'água. Para esses, embora qualquer criança perceba que Chapadinha melhorou, o novo governo não vale nada. Bom mesmo eram os anteriores, quando, por falta de ambulâncias, pacientes eram transportados à capital em carros de funerárias, quando professores eram achincalhados por governistas na Câmara, quando obras eram indícios de que as eleições estavam próximas.

Já inventaram de tudo, de 38 mil vassouras por ano a peixes podres. O interessante é que, há poucos meses, esses mesmos chorões mamavam na prefeitura sem dar a mínima para o povo e agora, sem o menor pudor, se dizem preocupados com a "lisura na gestão pública". E dá-lhe choro na Câmara, nas rádios, na internet, em mesas de bar, etc... Pena que, nas entrelinhas de suas lamúrias, uma súplica engasgada salte aos ouvidos: "Pelo amor de Deus, eu não sei fazer nada além de bajular, me chamem para o governo senão morro de fome!"

Claro que nem tudo são flores e, diferentemente dessa cambada de vagabundos que não tem moral para apontar erros de quem quer que seja, nosso blog muito em breve mostrará onde a prefeitura errou e vem errando. Já demos alguns pitacos, mas preferimos aguardar os primeiros 120 dias de gestão, prazo considerado razoável para que um novo governo "arrume a casa". Embora tal prazo nem sempre seja suficiente, o tomaremos como marco em razão da ausência de informações mais precisas acerca das dificuldades herdadas da gestão anterior. Em alguns pontos, por sinal, tais dificuldades em nada impediriam a ação correta e devida, aguardem...

Aos derrotados de plantão, sinto dizer que continuarão na minha linha de tiro, pois em hipótese alguma deixarei que, no afã de serem chamados para o governo, tratem meu povo como idiota. Já que optaram por continuar nessa vida medíocre em vez de procurar um trabalho digno, vão ter que me engolir, inclusive os que já foram aquinhoados, que desqualificavam Belezinha para que Bacelar fosse eleito e, hoje, vivem de lamber os tamancos dela. Esses são tão nocivos ao povo quanto os primeiros. E pelo visto, muito mais baratos.


Comentários
0 Comentários