12/03/2013

Caso 'Eduardo Sá x Lucas': Audiência está marcada para esta sexta-feira (15), no fórum

Após audiência na delegacia, Eduardo Sá continuará a contenda com o jovem Lucas Almeida no judiciário.

Vereador Eduardo Sá X Lucas, agora no Judiciário!

Tudo começou com uma matéria veiculada no blog 'Café Pequeno', mantido pelo professor e jornalista Ivandro Coêlho, na qual um pastor da Assembleia de Deus denunciava que havia sido humilhado por Sá ao cobrá-lo aluguéis atrasados. Segundo o pastor, a esposa do vereador assinou o contrato, mas o responsável pelo pagamento era ele. E para comprovar que detinha o direito pleiteado, o pastor publicou o documento (leia a denúncia na íntegra aqui).

O fato caiu na boca do povo e em vez de Sá "se revoltar" com o denunciante - seria a lógica, caso se tratasse de uma calúnia - ele resolveu retaliar toda e qualquer opinião sobre o caso que lhe fosse desfavorável. Vale ressaltar que o motivo da denúncia não foi a dívida, mas a humilhação que o pastor alega ter sofrido ao cobrá-la, e que o caso já teria, inclusive, ido parar na justiça. Bem, o fato é que Sá esqueceu de seu credor e apontou sua artilharia para aqueles que poderiam estar espalhando a história...

Mas o que Lucas teria feito de tão grave para que um "representante do povo" perdesse seu precioso tempo o processando? Pasmem: ele apenas comentou um link postado na rede social Facebook, que dizia que o vereador cobrava (do governo) o adiantamento do pagamento dos servidores: "Ele não está nem pagando o que é pra ele pagar, quer cobrar os outros! Vai pagar o Pastor, rapaz!", comentou o garoto, em solidariedade ao pastor e com as abreviações típicas dos bate-papos na internet.

Vereador Eduardo Sá X Lucas: Comentário Facebook

Eis o grande motivo de Sá ter ocupado a Polícia Civil, ao levar o caso à Delegacia. Por sinal um fato curioso teria ocorrido na audiência com o delegado: diante deste, da família de Lucas e de dois advogados que acompanhavam o garoto, o vereador teria dito que sua esposa assinou o contrato de aluguel, portanto ela é quem deveria estar presente naquela audiência, em seu lugar (mesmo tendo sido ele o suposto ofendido!). Segundo testemunhas, todos, inclusive o delegado, ficaram pasmos diante de tal "argumentação" (mais detalhes aqui).

E pelo mesmo motivo, o vereador irá ocupar o Poder Judiciário. Isso mesmo, segundo a família de Lucas o caso não se resolveu na delegacia e lá mesmo foi marcada a data da audiência no fórum: próxima sexta-feira (15 de março), às 08h40.

Deixando de lado os casos relevantes que a justiça deixa de apreciar sempre que alguém leva picuinhas para resolver no fórum, creio que o presente mereça uma análise minuciosa por parte do povo, pois somando-se às "queixas" do vereador suas reclamações em programas de rádio da oposição, tudo indica que ele almeja ser "esquecido" fora do plenário da câmara.

Ao que parece, ninguém pode relembrar que ele criou um bloco carnavalesco em 2012 sob o título "Bom D+" (slogan da campanha de Bacelar), cuja música-tema foi proibida pela Justiça Eleitoral, por ser uma adaptação do jingle do deputado (leia + aqui). Da mesma forma, ninguém pode falar sobre a emissora de TV que dava voz à oposição e que ele fechou alegando ser o proprietário, para não mais tocar no assunto. Também é proibido lembrar que ele não levantou uma palha em prol dos servidores enquanto eram humilhados pelo governo anterior, e pelos quais agora demonstra tanto apreço (como justificativa, Sá alardeia que "não era vereador na época", como se apenas vereadores pudessem cobrar de governos e os cidadãos nenhuma voz tivessem). Comentar no Facebook que ele "deveria honrar seus compromissos antes de cobrar os dos outros" então, vocês já sabem: dá processo!

Ao meu ver, o "mal" do vereador - além de ter apoiado Bacelar para prefeito, ou seja, apoiado a continuidade das mazelas que assolavam Chapadinha - é ainda não ter se situado no cargo... É ele não ter percebido ainda que deixou de ser apenas um empresário (vida privada) para ser, também, um vereador (vida pública). Ora, se o passado dos políticos não importasse ao povo, como dizem os puxa-sacos do vereador, o TSE não recomendaria a cada campanha, e em rede nacional, que os eleitores "vasculhem" a vida dos candidatos. Passado e presente dos políticos são, sim, da conta do povo, pois o que fizeram ou fazem quando não estão no gabinete é de suma importância para que possamos interpretar seus discursos ensaiados.

Embora a Constituição garanta a liberdade de expressão e os direitos de quem, porventura, se sinta ofendido, quando casos como o de Lucas viram matéria da polícia e do judiciário, alguma coisa está muito errada: há uma desproporção gigantesca entre o comentário do garoto e a reação do vereador, o que leva a crer que a intenção deste último não é apenas ser "justiçado" (caso tenha mesmo se ofendido tanto), mas também - e principalmente! - intimidar qualquer um que intencione falar algo que o desagrade...

Um "representante do povo" querendo impor uma ditadura do silêncio para cercear a opinião pública, a exemplo da era dos militares? Talvez seja a única explicação plausível para o caso em tela... Deus queira que eu esteja errado! O diabo é que, infelizmente, eu costumo acertar.


Comentários
0 Comentários