Caos na Saúde - ao fundo, Guarda Municipal tenta controlar a situação

Que o atual governo de Chapadinha - chefiado pelo deputado não eleito Magno Bacelar e sua discípula, a atual prefeita - se tornou exemplo estadual de má-gestão, qualquer criança sabe.

Tanto que Bacelar concorreu à prefeitura este ano e levou a maior surra de votos da história da cidade. Seus marqueteiros tentaram vender a ideia de que tudo estaria "bom demais", mas não colou, principalmente devido ao descaso dos gestores com a Saúde Pública.

O governo "magnúbia" até deu uma "ajeitadinha" no setor, durante as campanhas. Fez algumas reformas, inaugurou postos, até ambulância nova apareceu... Mas como apagar tantos anos de descaso em apenas três meses? O povo - que não é bobo! - não acreditou nessa mudança da água pro vinho às vésperas da eleição, temeroso de tudo voltar ao que era após o pleito. E, infelizmente, estava certo.

Foi só as campanhas terminarem, o caos voltou a reinar na Saúde Pública.

O desrespeito com o paciente voltou à tona, repercutindo em nível estadual (leia aqui). Itens e medicamentos básicos necessários aos atendimentos, voltaram a ficar escassos. Ambulâncias nunca estão de prontidão e desde a última sexta-feira (12) o Hospital Antonio Pontes de Aguiar (HAPA), responsável pelos atendimentos de urgência e emergência, ficou sem nenhum médico de plantão, deixando pacientes e familiares em desespero.

Quem precisava de atendimento urgente era socorrido pela médica de plantão do Hospital das Clínicas (HCC), de atendimento exclusivo materno-infantil, mas não antes de esperar horas pela disponibilidade da mesma.

Ao contrário do que está tentando passar a impren$a ligada ao governo, esta não é a primeira vez (nem a segunda, nem a terceira,...) que o povo pena por falta de médicos... No carnaval deste ano, por exemplo, apenas o Dr. Sérgio Barbosa estava de plantão nos dois hospitais, mas o clima de festa acabou "abafando" o caso.

Vale ressaltar que o HAPA é regional, ou seja, a prefeitura recebe dinheiro a mais (e muito!) para que atenda, também, as cidades vizinhas, mas sempre ocorreu o contrário - elas é que socorrem Chapadinha. E não está sendo diferente nos últimos dias. A única novidade ficou por conta de alguns pacientes, familiares e terceiros, que aliaram seus celulares ao Facebook para divulgar, em tempo real, a situação calamitosa que presenciavam.

Abaixo, algumas imagens e comentários publicados no Facebook - a mais arma do povo contra governantes ímprobos - sobre a situação calamitosa da Saúde Pública local (obs: os prints não estão em ordem cronológica).














PS: Para saber mais, clique [aqui].
logoblog
Comentários
0 Comentários