Por volta de 1820, a família real residia no Rio de Janeiro. A cidade era suja e infestada de ratos e urubus. Assim como outras cidades brasileiras, não havia qualquer serviço de saneamento básico e a construção de fossas sanitárias era proibida pela pequena profundidade do lençol freático.

As fezes e urinas eram, então, guardadas em barris. A remoção dos barris cheios se fazia geralmente à noite, por escravos que cruzavam a cidade para despejar os dejetos no mar ou terrenos baldios. Parte do conteúdo dos barris, repleto de uréia e amônia, escorria pela pele dos negros e, depois de algum tempo, formava listras sinuosas brancas em seus corpos. Daí, eles foram apelidados de "tigres".

O que isso tem a ver com Chapadinha? Guardadas as devidas proporções, a semelhança com essa época é notável.

A imundice em Chapadinha, assim como em 1820, também é assustadora. Ratos e urubus ocupam a prefeitura. O governo produz na administração dejetos em uma quantidade vultuosa, e estes devem ser escondidos na calada da noite para que o odor não chame a atenção dos moradores.

O trabalho de remover esses dejetos e despejá-los em um local distante, em Chapadinha, fica a cargo da imprensa servil municipal. (Blogs, rádios e TVs que, artificialmente, perfumam a podridão local.) Durante esse trabalho, esses dejetos também escorrem sobre cada um dos aduladores de plantão, marcando-os de maneira determinante. Essas marcas são permanentes e irreparáveis, e nem a creolina do futuro poderá removê-las. São os "tigres de Chapadinha".

A diferença é que os "tigres" do Rio de Janeiro de 1820 merecem nossa compaixão, por serem submetidos a tal degradação pela força. Já os "tigres de Chapadinha" só merecem nosso desprezo, pois sua degradação é auto-induzida.


Dr. Ernani Maia
(Cirurgião-Dentista)




N. do A. - Deseja publicar seu texto em nosso blog? Basta enviá-lo a partir do menu "Contato" (no alto da página) ou diretamente para o email chapadinhaonline@live.com
logoblog
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

Anônimo disse...

Essa comparação é uma ofensa aos escravos.

manoel de meireles disse...

parabéns pela postagem, que sirva de carapuça a puxa-sacos de plantão, que vivem da desgraça alheia para usufruir frutos endeusando a administração sem nenhuma responsabilidade, já que não tem capacidade de exercer nenhuma função social.

Charles Bacellar disse...

Ernane que texto primoroso e que deve se juntar a todos os outros seus para driblar a instantaneidade volátil da internet e se perpetuar no preto no branco, pois inteligência tem que contaminar varias gerações. Eu te parabenizo por assumires o espaço dedicado aos sábios e que estava sendo usurpados por plagiadores diarreicos e sonolentos que nao contem seus flatulentos discursos.