Por Roberto Lobato:

A luta política radicalizada leva à situações que chegam ao rídiculo.

Agora mesmo anuncia-se pelos 4 cantos da imprensa maranhense que dirigentes partidários, integrantes da CPI que apura a aplicação (ou não) dos R$ 73 milhões de um convênio entre o Governo do Estado e a Prefeitura de São Luis, na gestão Jackson Lago, ameaçam ajuizar uma representação no CNJ contra a desembargadora Anildes Cruz (foto). Alegam que a decisão da magistrada, que detonou com a CPI [leia aqui], favoreceu diretamente o prefeito João Castelo (PSDB).

Ora, se decisão contrariasse Castelo favoreceria então "diretamente" à CPI? E nesse caso, a Prefeitura de São Luis deveria representar a desembargadora no CNJ?

Sei que o Tribunal de Justiça do Maranhão está há ano-luz de distância do local mais próximo onde se pode encontrar algum santo ou santa, mas essa história de representação no CNJ contra Anildes Cruz é tão esdrúxula quanto à própria iniciativa da Procuradoria do Município em pedir o fim da Comissão Parlamentar de Inquérito pela via judicial.

Outro argumento dos defensores da CPI para representar contra a desembargadora Anildes Cruz no CNJ é o fato dela ser amiga de Etelvina Ribeiro Gonçalves, desembargadora já aposentada e prima de João Castelo - daí a suspeição sobre a presidente do TRE/MA.

Meus queridos leitores: já pensou se fôssemos considerar todos os casos e laços de parentescos, amizades, colegagens, concubinagens, propinagens, cornagens, entre outras "agens" que permearam as muitas decisões já tomadas no âmbito do Judiciário maranhense?

Talvez não sobrasse magistrado sobre magistrado…


logoblog
Comentários
0 Comentários